21 Impromptus Para Crianças Peludas – Rui Nuno Vaz Tomé

8.

A álgebra e o dinheiro são essencialmente niveladores; o primeiro intelectualmente, o segundo efectivamente.

Simone Weil

se a poesia desse dinheiro
juntaria tudo o que escrevinhei
decerto faria um cruzeiro
com as vendas no eBay

 

douda correria#65
21 Impromptus Para Crianças Peludas – Rui Nuno Vaz Tomé
(prefácio de Valério Romão / ilustrações de Júlia Barata / grafismo de Joana Pires)

 

capa (1).jpg

douda da Júlia Barata para

21 Impromptus Para Crianças Peludas de Rui Nuno Vaz Tomé

logo 1.jpg

Prefácio:

«Sempre tive receio, em tudo o que escrevo, de usar referências que de algum modo pudessem datar o texto. Achava que era mais uma forma de tentar evitar o esquecimento que assombra o futuro de todos os escritores. Depois um tipo lê Shakespeare ou Cervantes e percebe que os contratempos da datação terão sido manifestamente exagerados. Não há fórmulas para não ser soterrado pelo esquecimento. Mas há estruturas pelas quais nos regemos, consciente ou inconscientemente, e que respeitamos. E só sabemos que as respeitamos quando damos conta, por contraste, que surge um tipo capaz de as obliterar. Esse tipo é o Rui. E o Rui faz-me sentir velho.
O Rui faz-me sentir o peso da minha própria seriedade, quando eu sempre pensei que laborava do lado da leveza. Mas o Rui mostra-me como se pode ir muito mais longe, e fá-lo de uma forma intensamente lúdica. Eu sou a criança a fazer castelos de areia na praia com baldes coloridos e os meus castelos são os mais bonitos de sempre. Ele é a criança que não espera sequer pela minha distração para os pontapear. E tem razão, toda a gente faz castelos, que importam os meus serem mais altos ou mais complexos. Há que fazer outras coisas. Como o Rui faz.
E fazer outras coisas, na poesia, é uma ocupação arriscada em dois sentidos. Em primeiro lugar, porque a tradição tem horror a corpos estranhos. Sabe que é pela contaminação que perde o seu estatuto. E, se bem que essa perda não corresponda a um esvaziamento de poder mas a uma substituição, a verdade é que a tradição é conservadora e luta, como pode, contra a mudança. Escrever contra a tradição é também escrever contra aqueles que, de forma mais ou menos consciente, participam nela. E o trabalho do escritor torna-se, assim, duplamente solitário.
Por outra parte, o exercício de atirador furtivo implica um risco acrescido de falhar, pois navega-se à vista, sem orientações explícitas e corre-se o perigo de trilhar um caminho sem saída que pode não acrescentar nada a ninguém senão o riso de escárnio paternalista da tradição, que surge inevitavelmente quando alguém que se afasta dela falha. São poucos os que se dispõem a abandonar a segurança do castelo no principado do lugar-comum. E o Rui falha? Claro que sim. Mas falha melhor, nas palavras do outro, e traça um percurso que eu, por inépcia, não fui capaz de ver, um percurso que não sendo seguro, não sendo confortável, não sendo certo, o levará certamente numa direcção distinta e nova e, com persistência e alguma fortuna, mais longe. E quanto um poeta reclama um território desconhecido, fá-lo em nome de todos nós.»

Valério Romão

 

Fotografias do Lançamento: Madalena Ávila

IMG_1224 (2).JPG

IMG_1219 (2).JPG

IMG_1237 (2).JPG

IMG_1246 (2).JPG

IMG_1252 (2).JPG

IMG_1251 (2).JPG

IMG_1257 (2).JPG

IMG_1261 (2).JPG

IMG_1268 (2).JPG

IMG_1228 (2).JPG

 

escritores.online | 17.07.2017:

http://escritores.online/impromptus/

 

Lançamento:

20 JUL 2017| 23H | Bar A Barraca

https://www.facebook.com/events/111819556125122/

 

#65.jpg

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s