O Engenhoso Libertário – Jesús Lizano

O nada
O nada é o carteiro vegetal,

a clínica encerrada e misteriosa,

o tacto diluído que repousa,

o gozo do dilúvio universal.
A tarde do estio mineral

que salta envolta no mundo, ela é a fossa

onde tudo sonha, furiosa,

esfumado tudo, eterno sal.
O nada é a ebriedade de estar perdido,

o abandono da geometria,

cisne da fronteira devorada.
Humana pedra, lago convertido

em solidão, a máquina vazia.

Tudo dilucidado: isso é o nada.

 

douda correria#26
O Engenhoso Libertário – Jesús Lizano – Antologia
(Tradução, organização e prefácio por Carlos d´Abreu/ fotografia de Paula Machado/ capa e composição por Joana Pires)

12665876_10208332694693376_910900607_n

 

Imprensa/Blog´s

Blog Antologia do Esquecimento | por Henrique Manuel Bento Fialho | 22.08.2016:

http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.pt/2016/08/o-prisioneiro-do-tempo.html

 

Lançamento: 23 JUL | 19h | Irreal

Com Bruno Humberto e Nuno Moura.

https://www.viralagenda.com/pt/events/170863/lancamento-jesus-lizano-antonio-poppe-galissa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s